Ticker

6/recent/ticker-posts

Bradesco: TST decide sobre contagem de prescrição em caso de doença mental

Bradesco Previdência e Seguros S.A.


A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho decidiu que a suspensão da contagem de prescrição dos direitos de um empregado que desenvolveu doença mental conta-se a partir do momento em que foi detectada a enfermidade e não da interdição judicial dele. A decisão foi tomada no julgamento de recurso de um ex-empregado do Bradesco Previdência e Seguros S.A., de Juiz de Fora (MG), diagnosticado com psicose maníaco-depressiva.

Não é a interdição que gera a incapacidade, mas a doença mental, que necessariamente precede ao próprio reconhecimento da doença em juízo, fundamentou o relator, ministro Lelio Bentes. O Código Civil prevê a suspensão da prescrição para pessoas absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os atos da vida civil, entre as quais aquelas que desenvolveram enfermidade ou deficiência mental.

Contratado pelo Bradesco Previdência e Seguros em julho de 1986 como assistente de produção, o ex-bancário teve o contrato de trabalho suspenso por licença médica de abril de 1992 até dezembro de 1995, quando se aposentou por invalidez. Por meio de uma representante, ele reclama, na Justiça do Trabalho, diferenças salariais que lhe seriam devidas pelo Bradesco em razão de duas alterações contratuais que considera lesivas, uma que limitou a remuneração e outra que integrou as comissões ao salário, ocorridas, respectivamente em janeiro de 1987 e outubro de 1988.

A primeira instância declarou a prescrição total do direito do ex-bancário de reclamar em juízo por essas verbas, pois a ação foi ajuizada em 25 de novembro de 1997, muito mais de cinco anos depois das datas das alegadas alterações contratuais. O Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (3ª Região) confirmou a sentença, pois considerou que a prescrição só foi suspensa com a interdição judicial do ex-empregado do Bradesco, em 23 de setembro de 1997. Nessa data já havia ocorrido a prescrição total. O relator do processo no TRT-MG, juiz Maurício Godinho Delgado, divergiu dessa tese, mas ficou vencido.

O ministro Lelio Bentes concordou com o ponto de vista do juiz Godinho Delgado, registrado em seu voto: “muito antes de ser interditado, em 1997, o recorrente já era portador da doença mental que levou ao reconhecimento judicial de sua incapacidade absoluta. A causa da licença, da aposentadoria e da interdição foi a mesma, ou seja, o fato de o recorrente ser portador de psicose maníaco-depressiva, associada ao uso de medicamentos. Para este relator, não haveria dúvida, portanto, de que o recorrente, pelo menos a partir de 17 de abril de 1992, quando iniciou o gozo do auxílio-doença, já era portador de doença mental que o tornava incapaz de praticar os atos da vida civil. A prescrição teria incidido, pois, sobre as verbas anteriores a 17 de abril de 1987.

Ao dar provimento parcial ao recurso, a Primeira Turma do TST declarou a ocorrência da prescrição apenas relativamente às parcelas anteriores a 17 de abril de 1987 e determinou o retorno do processo à primeira instância a fim de que julgue o mérito dos pedidos feitos pelo ex-bancário na reclamação trabalhista. 

FONTE DA NOTÍCIA: Tribunal Superior do Trabalho (TST).

http://www.tst.jus.br

 

 



Bradesco Previdência e Seguros S.A.

Postar um comentário

0 Comentários