Ticker

6/recent/ticker-posts

Liminar autoriza paciente a se consultar com médica especialista

Uma cliente do plano Saúde – Sistema Assistencial Unificado de Empresas Ltda. obteve autorização para continuar se consultando com a médica especialista que a tratava. A decisão liminar, que atendeu parcialmente o pedido da paciente, é do juiz Sebastião Pereira dos Santos Neto, da 2ª Vara Cível de Belo Horizonte.


A mulher afirmou que, desde 2010, sofre de uma patologia neuropática que causa dores crônicas de coluna. Em 2014, ela se submeteu a uma cirurgia para implantação de neuroestimulador, procedimento necessário ao seu tratamento. Dois anos depois, a paciente sofreu uma queda que resultou no deslocamento dos eletrodos do aparelho, sendo necessária nova intervenção cirúrgica para a correção. 


Diante da negativa da empresa para a marcação de uma consulta, em março de 2020, a cliente procurou a Justiça. Argumentou que a médica que a assistia era a única profissional na cidade com especialização naquele tipo de aparelho, à época da cirurgia.


A paciente acrescentou que precisa ser acompanhada por um neurocirurgião e por um técnico da empresa fabricante do aparelho. No entanto, desde março 2020 está sem o atendimento adequado.


O juiz Sebastião Pereira dos Santos Neto citou o relatório médico apresentado pela paciente, que atestou a urgência e imprescindibilidade da realização do tratamento com o especialista indicado. Ele considerou que foi comprovada a gravidade da doença que acomete a beneficiária do plano e que, nesse contexto clínico, o procedimento indicado é o único tratamento possível para a melhora de seu quadro clínico.


O magistrado não autorizou a intervenção cirúrgica solicitada pela paciente, até que ela apresente relatório médico atestando essa necessidade.


Segundo a decisão, o plano de saúde deverá autorizar a consulta com neurocirurgião especializado em neuroestimulador, juntamente com o técnico da fabricante do aparelho, sob pena de pagamento de multa diária de R$ 1 mil.


PROCESSO Nº: 5030313-12.2021.8.13.0024

 

  

FONTE DA NOTÍCIA: Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG).

http://www.tjmg.jus.br



Postar um comentário

0 Comentários